segunda-feira, 20 de setembro de 2010

4:22

Ele tinha todas as cores
E não tinha nenhuma
Ele dançava sob uma árvore
Uma ciranda da eternidade
Ele sorria
Ele odiava
Ele corria descalço na grama úmida
Sentia o ar gelado das montanhas em seus pulmões
E vivia

Ele perdeu todas as cores
E ganhou todas as outras
Ele parou, sentou, escutou
Ele deixou de odiar
Deixou de sorrir
Apenas se moldava
Ao que tinha de ser
Ele usava sapatos
Respirava cinza
E estava morto

Ainda o está

13 comentários:

  1. nossa' que incerto.
    PArabens pelo blog.

    ResponderExcluir
  2. Pô, achei muito bem escrito, adoro blogs literários.

    ResponderExcluir
  3. Bemm...insano!
    legal o blog...
    Seguindo.

    'Glenda

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Muito legal!
    O fim me surpreendeu!
    Parabéns pelo blog querido! ^^
    Visita o meu blog quando puder! Ficarei feliz com sua visita!

    http://aborboletra.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. perdi a minha mãe recentemente e não consigo elaborar uma poesia que não fale de outra coisa.

    seu texto é bom e bastante impessoal.

    visite-nos e comente tmbm

    http://mikaelmoraes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Bem meu caro Macaco Pipi, acho que acima de tudo blogs são locais nos quais nos expressamos. E muitas vezes aqui deixamos um lado que não consegue se sobressair no nosso dia a dia.
    Uns se expressam com piadas, outros com contos, alguns com relatos cotidianos. Bem, eu me expresso através de palavras, e elas me vêm das mais diversas maneiras, dentre elas, a poesia. Pedir o fim das poesias é pedir o fim da expressão. EXPRESSE-SE meu caro!

    ResponderExcluir
  7. muito bom o texto!
    estou seguindo!
    =]

    ResponderExcluir